O problema da Operação Fronteira Sul

Li no Blog "Sopabrasiguaia" outra notícia sobre a operação Fronteira Sul (http://sopabrasiguaia.blogspot.com/2009/06/tropas-do-exercito-comecam-chegar.html)
Continuo defendendo a inconstitucionalidade da Operação (embora admita se tratar de uma posição minoritária).
Contudo, a maior "ilegalidade" está na justificativa apresentada pela Operação de que "as atividades militares permitem a realização de medidas preventivas e repressivas com repercussão direta no combate aos delitos transfronteiriços e ambientais".
Isso é conversinha pra boi dormir, com o intuito de conquistar a opinião pública. Estão jogando para a platéia.
O problema disso é o seguinte: o soldado para o cidadão na praça de pedágio e revista o automóvel e o condutor em busca de drogas, armas, contrabando...
Ocorre que o soldado não pode realizar busca pessoal no indivíduo a pretexto, por exemplo, de procurar por drogas ou armas. Porque a busca pessoal somente pode ser realizada por autoridade pública competente para o ato (arroladas taxativamente no art. 144, da CF).
As Forças Armadas não possuem a função constitucional de polícia ostensiva, logo, falta-lhes competência para fazer busca pessoal, de modo que a prova obtida através de tal diligência ilegal inegavelmente será ilícita.
O que ocorrerá com esta prova ilícita? Ela deverá ser desentranhada dos autos e desconsiderada, pois “são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos”, conforme o art. 5, inc. LVI, da Constituição Federal de 1988.
Exemplo: O soldado revista um indivíduo e encontra uma arma com ele. Resultado: prisão em flagrante pelo crime de porte ilegal. Acontece que antes da prisão o soldado fez a busca pessoal INDEVIDAMENTE.
Essa prova obtida ilicitamente (porque as Forças Armadas não tem a função de pólícia ostensiva) deverá ser retirada do processo e consequentemente, o indivíduo será absolvido por ausência de provas.
Então de que adiantará essa tão alardeada repressão aos crimes "transnacionais"?
Apenas para promover o Ministro da Defesa.

Nenhum comentário: