Festival celebra o contrabando em Portugal

Não é só um Festival é a junção e fusão da homenagem a uma atividade que ao longo da história foi importante para as gentes da fronteira, essa é a chamada do festival.

As artes e ofícios características da região estarão representadas onde os visitantes poderão encontrar produtos enquadrados na temática do contrabando.

As vilas de Alcoutim (900 habitantes) e sua vizinha  Sanlúcar de Guadiana (cidade espanhola com 400 habitantes fundada no século XVII) serão cenário para o desfile de personagens típicas da época, como a Guarda Fiscal e os contrabandistas.

A vila portuguesa fica na região do Algarve.


As duas vilas, uma de cada lado do rio. Há uma pagina do Facebook destinada ao Festival

Histórias de contrabando são contadas pelos mais velhos




Há uma caminhada pelas antigas trilhas usadas pelos contrabandistas.




Depois da União Aduaneira se consolidar na Europa houve uma redução drástica do contrabando entre Portugal e a Espanha. Assim, essas antigas rotas utilizadas pelos habitantes da localidade deixaram de ser utilizadas.  Se o contrabandista levava ovos para Espanha, porque lá eram vendidos a preço maior, retornavam com azeite. No mais, eram as cargas de minério, tabaco, café, vestuário, máquinas de costura e gado (sobre os caminhos do contrabando).

Hoje, existem vários museus ao longo de toda fronteira luso-espanhola dedicados à uma fronteira que não mais existe e aos contrabandistas já aposentados e festivais como esse celebram uma cultura e os seus caminhos.

Nenhum comentário: